sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

Momento Mãe Dinah com o Grammy 2014 (parte 3)

Continuando a série de apostas sobre as principais categorias do Grammy, vamos às categorias principais de rock e rap, que como eu falei na última postagem, são meus dois estilos musicais favoritos.

Os indicados a melhor performance de rock são:
"Always Alright" — Alabama Shakes
"The Stars (Are Out Tonight)" — David Bowie
"Radioactive" — Imagine Dragons
"Kashmir" (Live) — Led Zeppelin
"My God Is The Sun" — Queens Of The Stone Age
"I'm Shakin'" — Jack White


Essa categoria é uma das de maior nível em todo o grammy (na verdade as categorias de rock em geral). "Always Alright", do Alabama Shakes, é uma ótima música, principalmente pelo órgão e a voz espetacular da vocalista Brittany Howard. "I'm Shakin" tem um grande riff, como é usual nas músicas do Jack White, e uma atmosfera vintage muito legal. "My God is The Sun" é muito boa, e não podia ser diferente se tratando da banda de Josh Homme. "The Stars (Are Out Tonight)" é excelente, assim como tudo que David Bowie faz. "Radioactive" também é muito boa, e alcançou um sucesso comercial que nenhuma das outras aqui conseguiu, sendo inclusive nomeada para a categoria gravação do ano. Só que "Kashmir" é um clássico eterno da música, e não há como não se arrepiar ouvindo os primeiros acordes da música, que aqui concorre por sua versão ao vivo no show "Celebration Day", reunião do Led Zeppelin, com Jason Bonham na bateria, ocorrida em 2007. A versão é impecável, e mostra toda a qualidade vocal de Plant, a técnica de Page e John Paul Jones e mostra que Jason faz um trabalho que não fica muito aquém do seu pai, John. Por tudo isso, espero muito que Kashmir saia vencedora nessa categoria.

Os indicados a melhor álbum de rock são:
"13" — Black Sabbath
"The Next Day" — David Bowie
"Mechanical Bull" — Kings Of Leon
"Celebration Day" — Led Zeppelin
"…Like Clockwork" — Queens Of The Stone Age
"Psychedelic Pill" — Neil Young With Crazy Horse


São quatro lendas do rock e duas bandas mais recentes com muita qualidade. Não tive tempo de escutar todos os álbums (os que eu ouvi são fantásticos), então vou chutar que a academia de gravação vai dar o prêmio ao "The Next Day", que marca o retorno do camaleão David Bowie e foi muito bem avaliado pela crítica.

Os indicados a melhor música de rock são:
"Ain't Messin 'Round" -- Gary Clark Jr., songwriter (Gary Clark Jr.)
"Cut Me Some Slack" -- Dave Grohl, Paul McCartney, Krist Novoselic & Pat Smear, songwriters (Paul McCartney, Dave Grohl, Krist Novoselic, Pat Smear)
"Doom And Gloom" -- Mick Jagger & Keith Richards, songwriters (The Rolling Stones)
"God Is Dead?" -- Geezer Butler, Tony Iommi & Ozzy Osbourne, songwriters (Black Sabbath)
"Panic Station" -- Matthew Bellamy, songwriter (Muse)

 
Essa categoria está muito difícil de apostar em um vencedor. Todas as músicas são muito boas e são muito diferentes entre si. Temos o blues rock de Gary Clark Jr. em "Ain't Messin 'Round", a explosiva mistura de grunge e hard rock em "Cut Me Some Slack", que reuniu os ex-integrantes do Nirvana, Dave Grohl, Krist Novoselic e Pat Smear com o ex-beatles Paul McCartney, o heavy metal típico do Black Sabbath em "God is Dead?", o funk-rock de "Panic Station" e o rock clássico dos Stones em "Doom and Gloom". Bem, como eu sou muito fã do Paul e me viciei na música no instante em que ouvi, aposto na vitória de "Cut Me Some Slack", mas qualquer resultado seria muito merecido nessa categoria.

Passando ao rap, os indicados a melhor performance de rap são:
"Started From The Bottom" — Drake
"Berzerk" — Eminem
"Tom Ford" —  Jay Z
"Swimming Pools (Drank)" — Kendrick Lamar
"Thrift Shop" — Macklemore & Ryan Lewis Featuring Wanz


Started From The Bottom tem um refrão viciante e uma batida muito boa, Tom Ford é uma das melhores do Magna Carta Holy Grail, Swimming Pools (Drank) é sensacional, assim como Thrift Shop, que seria a minha escolha caso um certo rapper de Detroit não tivesse lançado a música "Berzerk" a tempo. É uma música que mistura muito bem rap e rock, lembrando muito o rap dos anos 80 (Run DMC, Beastie Boys, etc.) e que contagia qualquer um.

Já os indicados a melhor colaboração de rap são:
"Power Trip" — J.Cole Featuring Miguel
"Part II (On The Run)" — Jay Z Featuring Beyoncé
"Holy Grail" — Jay Z Featuring Justin Timberlake  
"Now Or Never" — Kendrick Lamar Featuring Mary J. Blige
"Remember You" — Wiz Khalifa Featuring The Weeknd


Não é por eu ser um fã assumido tanto do Jay-Z, quanto do Justin Timberlake, mas Holy Grail é uma música excepcional, pelos versos do Jay e pela parte cantada por JT. É claro que os concorrentes são muito fortes, principalmente "Power Trip", dos ótimos J Cole e Miguel, "Now or Never", dos também excelentes Kendrick Lamar e Mary J. Blige.

O Grammy de melhor álbum de rap pode sair para:
Nothing Was The Same — Drake
Magna Carta…Holy Grail — Jay Z
Good Kid, M.A.A.D City — Kendrick Lamar
The Heist — Macklemore  & Ryan Lewis
Yeezus — Kanye West


Aqui também é muito difícil apontar o vencedor. É claro que os álbums do Kendrick e da dupla Macklemore e Ryan Lewis são favoritos, visto que concorrem ao prêmio de álbum do ano. No entanto, Yeezus foi um sucesso de crítica, com seus experimentalismos geniais, e "Nothing Was The Same" também é muito bem visto pela crítica e pelo público. Acho que só o álbum do Jay está um pouco abaixo aqui, apesar de ser muito bom. Mas pra decidir logo, fico com o "Good Kid, M.A.A.D. City", do Kendrick.

Os indicados a melhor música de rap são:
"F***in' Problems" -- Tauheed Epps, Aubrey Graham, Kendrick Lamar, Rakim Mayers & Noah Shebib, songwriters (ASAP Rocky Featuring Drake, 2 Chainz & Kendrick Lamar)
"Holy Grail" -- Shawn Carter, Terius Nash, J. Harmon, Timothy Mosley, Justin Timberlake & Ernest Wilson, songwriters (Kurt Cobain, Dave Grohl & Krist Novoselic, songwriters) (Jay Z Featuring Justin Timberlake)
"New Slaves" -- Christopher Breaux, Ben Bronfman, Mike Dean, Louis Johnson, Malik Jones, Elon Rutberg, Sakiya Sandifer, Che Smith, Kanye West & Cydell Young, songwriters (Anna Adamis & Gabor Presser, songwriters) (Kanye West)
"Started From The Bottom" -- W. Coleman, Aubrey Graham & Noah Shebib, songwriters (Bruno Sanfilippo, songwriter) (Drake)
"Thrift Shop" -- Ben Haggerty & Ryan Lewis, songwriters (Macklemore & Ryan Lewis Featuring Wanz)


Aqui a disputa é boa, mas fico com Holy Grail. O modo como Jay-Z e JT abordam os altos e baixos da vida de celebridade, incluindo os versos de "Smells Like Teen Spirit", é incrível. De qualquer forma, a crítica aos consumismo em "Thrift Shop", e à sociedade racista em "New Slaves" também são muito boas. As outras músicas são igualmente boas, mas não acho que sejam favoritas ao prêmio.

Bom, assim eu encerro o momento Mãe Dinah do Grammy, mas volto a comentar minhas apostas após o dia 26, dia da premiação, e espero ter um bom desempenho nas categorias em que dei minha opinião.

quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

A seleção do ano de 2013

Semana que vem serão anunciados os melhores jogadores do mundo no ano passado, tanto no futebol masculino, quanto no feminino. Além disso, na mesma festa de gala da Fifa, será também anunciada a seleção do ano, ou seja, os melhores jogadores de cada posição, formando-se um time ideal. A seleção anterior, de 2012, poderia ser uma seleção da liga espanhola, já que se formou exclusivamente de jogadores do Real Madrid e do Barcelona, com um intruso do Atlético de Madrid, o colombiano Falcão Garcia.

Esse ano, com a grande fase dos times alemães Bayern de Munique e Borussia Dortmund, finalistas da Liga dos Campeões, a base dessa seleção ideal deve ser de jogadores dessas duas equipes. Então, vou dar meu palpite sobre a seleção de 2013, com base na formação 4-3-3, que será utilizada para a seleção oficial da Fifa.

Goleiro: Manuel Neuer - Bayern de Munique: Teve um ano fantástico, sendo importante nas campanhas vitoriosas na Bundesliga e na Liga dos Campeões, e se consolidou como um dos melhores da posição.

Lateral Direto: Phillip Lahm - Bayern de Munique: É um dos melhores laterais da história, e teve um ano espetacular com a equipe do Bayern.

Zagueiro 1: Thiago Silva - PSG: Teve um grande ano com o PSG e com a seleção brasileira, e é um dos zagueiros mais técnicos da atualidade.

Zagueiro 2: Mats Hummels - Borussia Dortmund: Comandou a defesa do Borussia na surpreendente campanha na Champions, é um zagueiro muito bom e vem despertando a cobiça de gigantes europeus.

Lateral Esquerdo: David Alaba - Bayern de Munique: O lateral austríaco foi uma grande revelação do time bávaro no ano, e teve bom destaque no time cheio de estrelas. É um dos mais promissores da posição, que sofre de uma carência notória.

Meio de Campo 1: Bastian Schweinsteiger - Bayern de Munique: Foi o cérebro do time multi-campeão, tendo o melhor ano de toda sua carreira. Dono absoluto do meio de campo do time, sendo eficaz na marcação e principalmente na condução da bola até o ataque.

Meio de Campo 2: Franck Ribéry - Bayern de Munique: Se destacou demais no campeonato alemão e na UCL, o que o fez estar entre os 3 melhores do mundo na eleição da Bola de Ouro.

Meio de Campo 3: Gareth Bale - Tottenham Hotspurs/Real Madrid: Foi o melhor jogador da liga mais difícil do mundo, a inglesa, tornando-se a transferência mais cara da história. Carregou os Spurs na primeira metade do ano, com gols, assistências e jogadas sensacionais, e está recuperando a boa forma no Real.

Atacante 1: Lionel Messi - Barcelona: Apesar de ter passado uma parte do ano machucado, quando esteve em forma foi espetacular, tendo uma média de gols muito alta e mostrando que, em forma, é o melhor jogador da atualidade.

Atacante 2: Cristiano Ronaldo - Real Madrid: Foi o ano do português. Apesar da falta de títulos expressivos, CR7 marcou uma quantidade absurda de gols, sendo decisivo para a classificação de Portugal à Copa do Mundo. Ninguém jogou mais bola que ele no ano que passou.

Atacante 3: Robert Lewandowski - Borussia Dortmund: Grande destaque da campanha do Borussia, teve atuação de gala na semifinal da Champions, e se consolidou como um dos grandes centroavantes do futebol mundial.





E aí, acharam que faltou alguém? Comentem e digam qual seria a seleção do ano de 2013 pra vocês.

terça-feira, 7 de janeiro de 2014

As 15 melhores músicas de Hip-Hop dos anos 2000

Postei isso no meu blog antigo, mas pra não deixar o TA10 parado, vou postar aqui também...

Apesar do auge musical do rap ter sido nos anos 90, com nomes como Tupac, Notorious BIG, Dr. Dre, Eazy-E e Snoop Dogg, foi nos anos 2000 que o rap se tornou sucesso comercial absoluto, o que não significou uma queda acentuada de qualidade nas músicas. Então, vou elencar as 15 melhores músicas de hip-hop dos anos 2000 (de 2000 a 2009), na minha opinião.



15º - A Milli - Lil' Wayne: Sim, algum dia, Weezy fez músicas mais dignas, e "A Milli" é a melhor delas, do seu melhor álbum "Tha Carter III", e não é a toa que aparece frequentemente nas lista de melhores músicas dos anos 2000 e melhores músicas de hip-hop, além de ter ganho o Grammy de Melhor performance de rap em 2009.



14º - Drop It Like It's Hot - Snoop Dogg feat. Pharrel: Snoop talvez não tenha sido tão bom nos anos 2000 quanto foi nos anos 90, mas essa música é de fato uma das melhores da década, seja pelo flow do Snoop, seja pelo sons feitos com a boca que são quase uma melodia.



13º - Dirt Off Your Shoulder - Jay-Z: A batida é espetacular, o refrão gruda na sua cabeça, os versos de Jay-Z são excelentes e a música chega a proporcionar uma coreografia no refrão. Por esses motivos, a música do Black Album de Hova é uma das melhores da década.



12º - Ms. Jackson - OutKast: A música traz uma atmosfera de tranquilidade, os versos de André 3000 e Big Boi são excelentes, e a temática da música é bem interessante, além do refrão inspiradíssimo e muito bom para cantar junto.



11º - Get Ur Freak On - Missy Elliott: Do sample de música indiana à agressividade nos versos, essa música é um clássico do rap feminino. Por ter uma batida rápida é capaz de fazer as pessoas dançarem, mas também é muito boa para ouvir a qualquer hora do dia e se impressionar com a capacidade de Elliott em fazer rap.


10º - Stronger - Kanye West: O superhit de Kanye, baseado no sample de "Harder, Better, Faster" do Daft Punk é incrível. A música é pop o suficiente para ser sucesso nas pistas de dança e rap o suficiente para agradar aos críticos, tanto que levou o Grammy de melhor performance de rap de 2008.



9º - Where Is The Love? - The Black Eyed Peas feat. Justin Timberlake: Antes de se tornar um megagrupo pop, o B.E.P. fazia um rap diferente, com muitos elementos de outros ritmos, muito graças ao genial Will.I.Am. Essa música em especial tem uma levada mais pop, principalmente no refrão, devido muito à Fergie e ao J.T., mas é a letra dessa música que a torna um clássico da década, tratando todos os males atuais da humanidade, do racismo às guerras, do terrorismo à corrupção e clamando por mais amor no mundo.



8º - Gold Digger - Kanye West feat. Jamie Foxx: Não bastava samplear "I Got a Woman", de Ray Charles, por isso Kanye chamou Jamie Foxx, que acabara de ganhar um Oscar interpretando Ray Charles no cinema para cantar as partes sampleadas da música, o que foi mais uma ideia genial de Kanye. A música em si fala das mulheres interesseiras, as "gold diggers", a forma como elas se envolvem com os ricos e famosos e acabam com o dinheiro deles. O interessante é que agora Kanye namora e vai ter um filho com uma subcelebridade americana (Kim Kardashian), que ficou famosa por causa de um vídeo adulto, e que é notória por ficar apenas com famosos.


7º -  Empire State of Mind - Jay-Z feat. Alicia Keys: Frank Sinatra já havia feito uma canção sobre Nova York, mas a cidade mais cosmopolita do mundo não pode ter apenas um "hino". Então Jay se juntou a Alicia Keys para fazer mais uma música sobre NYC, do ponto de vista de quem nasceu pobre na cidade, enriqueceu e continuou morando lá. O piano de Alicia combina muito bem com a batida da música, e a música tem um dos refrões mais repetidos dos últimos tempos, além de contar com alguma crítica sobre o estilo de vida nova-iorquino, principalmente na 3ª parte da música.



6º - In Da Club - 50 Cent: Assim como Lil' Wayne, houve um tempo em que 50 fazia músicas boas. E foi com In Da Club que alcançou seu máximo criativo. É um hino de festas, com uma das batidas mais reconhecidas e espetaculares da história do rap, além do primeiro hit #1 da carreira do rapper, que consegue nessa música conciliar o flow do rap com o apelo pop de forma quase única.



5º - B.O.B. - OutKast: Fazer rap pode parecer fácil, mas rimar na velocidade com que 3000 rima nessa música é praticamente impossível. A música tem um andamento muito acelerado, que permite André e Big Boi a mostrarem toda a sua capacidade de rimar, mas não deixa de ter um refrão grudento (no bom sentido), e um instrumental fenomenal, com destaque para as frases de guitarra do meio pro fim da música e a batida.



4º - Stan - Eminem feat. Dido: Contar uma história através da música é muito comum, mas fazer uma música contando uma história que critica a relação entre fãs e artistas é no mínimo corajoso. Na música, Eminem conta a história de Stan, um fã fictício de Eminem, que sonha conhecer o ídolo e envia cartas ao rapper. A emoção passada por Eminem ao cantar a música é extraordinária, variando a entoação de acordo com a carta que está sendo escrita, seja por Stan ou pelo próprio Eminem, e o refrão sampleado de "Thank You" da cantora Dido, faz um espetacular contraponto com toda a raiva transmitida por Stan com as seguidas decepções em relação ao ídolo.



3º - Jesus Walks - Kanye West: O hino rap/gospel/pop de Kanye é sua obra prima da década. O rapper conseguiu transformar a temática gospel em um sucesso comercial, e cada aspecto dessa música é um ingrediente da obra prima que a música acabou se tornando. Desde os versos de Kanye, passando pelo coral fazendo o backing vocal, o refrão, a batida, enfim tudo é lendário na música, que ganhou o Grammy de melhor música de rap, e é presença constante nas listas de melhores músicas de todos os tempos.



2º - 99 Problems - Jay-Z: Falar sobre racismo, violência policial,e preconceito social é comum no mundo do hip-hop, mas falar sobre esses assuntos polêmicos através de histórias, fictícias ou reais, é raro. E é exatamente o que Jay faz em 99 Problems, tratando desses assuntos em 3 histórias diferentes, nas três estrofes da música, inclusive narrando o diálogo entre o policial e o jovem negro (que pode ser o próprio Jay ou qualquer outro negro americano dirigindo um carro "não condizente com o padrão dos carros dirigidos por negros"). Some-se à isso a batida espetacular, o riff de guitarra marcante e o refrão mais popular (e mais parodiado) da história do rap e temos um clássico instantâneo, a obra-prima do "Brooklyn boy".



1º - Lose Yourself - Eminem: Outra história contada através da música. Nesta, Eminem retrata o que pode ser a história da sua própria vida, contando os momentos de tensão antes de começar um duelo de MC's, a escolha feita de largar tudo para se perder no mundo da música, os ônus e bônus de se tornar uma estrela do rap e da música. O piano do início já indica a grandiosidade da música, que segue com a guitarra marcando o ritmo enquanto Eminem aconselha todos a não desperdiçarem as oportunidades que a vida dá, porque podem ser únicas. Em' também transmite todo seu sentimento nos versos da música, assim como em Stan. Enfim, Lose Yourself é a melhor de todas as músicas de rap dos anos 2000, o que é corroborado pela crítica, que lhe concedeu os Grammys de melhor música de rap e melhor performance de rap em 2004, além de ser a primeira e única música de rap a ganhar um Oscar de melhor canção original, por ser tema do filme "8 Mile", estrelado por Eminem.


Fiquem atentos que ainda virão as listas das melhores músicas de rock e de pop dos anos 2000.