segunda-feira, 13 de julho de 2015

Quem seria o técnico estrangeiro ideal para a Seleção?

Passado o aniversário de um ano do 7x1 (que foi pouco), mais uma eliminação vexatória da seleção na Copa América e a revelação de que o Guardiola queria treinar a seleção brasileira, o debate sobre mudanças profundas na estrutura do futebol brasileiro, especialmente na CBF, voltaram a tomar os noticiários esportivos. Um desses questionamentos era exatamente sobre a mudança do técnico da seleção, Dunga, por um técnico estrangeiro.

Esse expediente foi utilizado por várias modalidades esportivas brasileiras nos últimos anos, com resultados muito significantes (o basquete masculino, a ginástica e mais recentemente o pólo aquático e o handebol são exemplos) e talvez seja realmente a hora de fazermos o mesmo com o futebol.

É claro que ainda temos alguns técnicos brasileiros com um bom nível, como o Tite, o Cuca, o Marcelo Oliveira e o Levir Culpi, mas o momento pede por um choque de realidade, para que nossa seleção volte a ser uma referência mundial e que um novo protagonismo reflita nos nossos clubes. Por isso, separei alguns técnicos estrangeiros que poderiam ser candidatos a técnico da seleção e vou analisar o que cada um tem para acrescentar à seleção e direi quem é o treinador dos sonhos e quem é o melhor e mais acessível:


1 - Pep Guardiola: Ele já demonstrou que é o melhor técnico do mundo e que sonha em treinar a seleção brasileira. No entanto, no momento em que nós não tínhamos técnicos e ele estava "de férias" (quando o Mano Menezes foi demitido) a cúpula da CBF, comandada pelo agora presidiário José Maria Marin, escolheu não arriscar e se escorou nos medalhões Felipão e Parreira. O resto vocês já sabem. Guardiola seria o nome ideal para comandar uma revolução na seleção brasileira, é só ver o que ele fez no Barcelona e o que vem fazendo no Bayern. E como ele disse naquele mundial interclubes contra o Santos, ele só está fazendo o que nós, brasileiros, fazíamos antigamente. O maior problema é que agora ele está muito bem empregado e tem o desafio de levar o Bayern a conquistar a Europa novamente, então provavelmente não sairia do clube bávaro.

2 - José Mourinho: É certamente um dos melhores técnicos do mundo, embora eu ache que ele seja pragmático demais em determinados momentos. Não há dúvidas de que ele elevaria o nível da seleção brasileira, mas não causaria a revolução que Guardiola poderia causar. O fato dele falar português seria uma ótima vantagem, mas ele também está muito bem empregado no Chelsea e não sei se tem vontade de treinar uma seleção.

3 - Diego Simeone: Talvez seja o técnico, dentre os melhores do mundo, que tenha um estilo mais parecido com o do Dunga. Simeone faz sucesso com o Atlético de Madri baseando seu jogo na bola parada e no contra-ataque, pensando sempre em arrumar a defesa primeiro. Além disso, tem como marca motivar seus jogadores ao extremo, mas sem que eles percam a cabeça. É um excelente técnico, mas está empregado e não tem um estilo de pensar futebol (pelo menos não que tenha demonstrado ainda) que seja compatível com aquele que tornou a seleção brasileira referência, ou seja, toque de bola e dribles, dominando a partida com a bola no pé.

4 - Jurgen Klopp: Fez muito sucesso com o Borussia Dortmund, e assim como o Simeone levou um time que não é a principal força de seu país a uma final de Champions League. Tem um estilo mais ofensivo e ousado que o de Simeone e talvez pudesse tornar a seleção mais dinâmica e tenha em Neymar um Marco Reus melhorado. O problema é que ele não fala português e para um momento de véspera de eliminatórias (que serão bastante difíceis dado ao nivelamento das seleções sul-americanas) provavelmente não é um nome que se adaptaria com a velocidade suficiente e necessária para enfrentar uma competição difícil.


5 - Jorge Sampaoli: O técnico argentino acabou de ganhar a Copa América com o Chile, mostrando um futebol ofensivo, de muito toque de bola e marcação pressão, mais ou menos ao estilo Guardiola. Sampaoli é certamente o nome mais indicado para o atual momento da seleção brasileira. Ele conhece o futebol sul-americano, joga de modo semelhante ao do Guardiola, fez o Valdívia ter uma sequência de jogos muito boa e não seria muito difícil de atraí-lo com uma proposta generosa (e convenhamos, a CBF nada em dinheiro).

Portanto, em uma situação ideal, com todos esses técnicos desempregados, a escolha óbvia é o Guardiola. Nas condições atuais, eu ainda faria uma proposta ao técnico espanhol, mas como ele provavelmente declinaria em respeito ao Bayern, o mais indicado para fazer a seleção brasileira ser competitiva sem perder suas principais marcas (toque de bola e drible) com certeza é o Jorge Sampaoli.

OBS: Eu tenho plena noção que é muito mais provável o Dunga continuar como técnico até 2018 ou que em caso de troca no comando técnico a CBF escolheria um técnico brasileiro, mas sonhar não custa nada e quem sabe com a iminente prisão do atual Presidente da CBF as coisas não mudem por lá?

Nenhum comentário:

Postar um comentário