terça-feira, 17 de dezembro de 2013

A Estrada da Noite

Quando peguei este livro pela primeira estava procurando uma leitura um pouco menos densa, já que tinha acabado de ler o quarto livro da série “Torre Negra” do Stephen King (quando eu concluir a série também pretendo escrever sobre ela), acabou que me surpreendi positivamente com este livro, que é o primeiro, mas não o único, do escritor Joe Hill.


A estrada da noite conta a história de Jude Coyne, um roqueiro de meia idade, com uma certa queda por garotas góticas (aqui personificada na figura de “Georgia”) e por objetos macabros. Esta sua paixão por essa coleção de objetos o faz comprar na internet um fantasma, acompanhado de seu terno, o objeto que o prende ao mundo dos vivos.
Ao receber o terno e o fantasma, que logo no começo descobrimos ter sido enviado por uma pessoa que participou da sua vida, como uma forma de vingança, diversos acontecimentos bizarros e assustadores passam a acontecer na vida do nosso personagem principal.
Duas coisas me impressionaram neste livro e dificultaram o meu afastamento dele, tendo o lido em menos de uma semana.
Primeiramente, apesar da sinopse inicial indicar que Jude Coyne é um personagem egocêntrico, o livro nos mostra que debaixo desta casca, ele é uma pessoa como qualquer outra, passível de erros, mas apaixonado por seus cachorros (característica que eu passei a valorizar muito graças a minha namorada, rs), com um carinho muito grande (seria amor?) pela sua “namorada” gótica e que as suas características macabras não passam de fingimento para montar esse personagem roqueiro heavy metal. Também passamos a conhecer a sua história de vida, a sua infância sofrida, a sua relação com o pai, a morte de seus companheiros de banda, o vício em drogas, entre outras diversas características que tornam esse personagem singular e, podemos dizer, apaixonante.
Em segundo lugar, quando eu peguei a sinopse e vi que era uma história de terror envolvendo fantasmas, já imaginei a série de clichês hollywoodianos que estariam me aguardando, como queda de panelas, barulhos de vento que seriam confundidos com fantasmas, aparições em espelhos, dentre outras tantas cenas consagradas pela cultura pop, mas não é isso que ocorre nesta obra.
Desde o começo nós já sabemos quem é o fantasma e o que ele pretende com Jude, o que o torna muito mais assustador. As técnicas usadas pelo espírito, um hipnotizador em sua vida terrena, para aterrorizar e enlouquecer o seu algoz fogem do lugar comum, tornando o livro um verdadeiro conto de terror, no sentindo literal da palavra, o que torna a leitura uma experiência muito agradável para quem gosta de sentir um friozinho na barriga e aquele medo de descer as escadas na madrugada.
Concluindo, eu recomendo fortemente a leitura da “Estrada da Noite”, a primeira obra de Joe Hill, que parece ter herdado do seu pai (ele é filho do Stephen King, informação que aprendi no Wikipedia, rs) o dom para escrever contos assustadores e cativantes.

P.S: O meu nome é Víctor Sanches, tenho 22 anos, sou recém formado em direito (leia-se desempregado) e pretendo escrever neste blog sobre literatura e vídeo games, que são as minhas principais atividades de lazer no momento, usadas como válvula de escápula para o estudo para concursos.


P.S²: Eu não tenho nenhuma formação em literatura ou em tecnologia, portanto os meus textos serão apenas opiniões de um consumidor e a minha visão leiga sobre o assunto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário